Rali Serras de Fafe traz Super-Especial à cidade

Além de se realizar nos dias 18 e 19 de Fevereiro (mais cedo que em 2016 que se realizou no início de Março), esta época a prova organizada pelo Demoporto pontuará para o nacional de ralis mas terá a inovação de contar também para o Troféu Ibérico FIA de Ralis. Outra das novidades é o regresso da Super-Especial ao centro da cidade.

Foi divulgado pela Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK) o calendário das provas que vão integrar o campeonato nacional de ralis para 2017. Evidenciando algumas alterações relativamente a 2016, a abrir a nova temporada (2017) a primazia volta a ser para o Rali Serras de Fafe, evento que este ano vai para a estrada mais cedo que no ano anterior, e que terá algumas novidades. 

Além de se realizar nos dias 18 e 19 de Fevereiro (mais cedo que em 2016 que se realizou no inicio de Março), esta época a prova organizada pelo Demoporto pontuará para o nacional de ralis mas terá a inovação de contar também para o Troféu Ibérico FIA de Ralis. Outra das novidades é o regresso da Super-Especial ao centro da cidade. “Máquinas” e pilotos vão aproximar-se da população percorrendo algumas das artérias da cidade, à semelhança daquilo que aconteceu em edições anteriores e ao que habitualmente acontece nas localidades que recebem provas semelhantes “à nossa”. 

Outra alteração será nos dias em que a prova vai para a estrada. Contrariamente às edições anteriores, este ano a prova inicia-se sábado à tarde e prolonga-se até à noite ao que tudo indica com a realização da Super-Especial. No domingo as equipas voltam à competição até ao final da manhã. Em termos de classificativas houve supostamente a possibilidade de “abrir” um novo percurso, mas, ao que tudo indica pela proximidade da prova este ano não será ainda possível, não existindo assim grandes alterações relativamente às edições anteriores. 

Um Serras de Fafe com alterações estruturais, que além da vertente desportiva tentará beneficiar a cidade em termos comerciais. Sensivelmente um mês depois a “caravana” dirige-se à região centro para percorrer as classificativas do Rali de Castelo Branco. O Rali dos Açores teve uma readaptação na data para integrar novamente o Europeu de Ralis, para de seguida se cumprir o Casinos de Espinho. Rali de Portugal, Vidreiro, Madeira e Mortágua são as provas que se seguem, e o Algarve volta a encerrar a temporada, existindo no entanto a possibilidade deste ultimo sofrer alteração. 

Apesar dos ajustes efectuados nenhum rali teve “alteração de piso” comparativamente a 2016, sendo que a maior novidade passa pela inclusão do Rali de Portugal no calendário Nacional, algo que muitas equipas desejavam, e pelo sistema de pontuação que a FPAK permite fazer às equipas para o Rali de Portugal, Açores e Madeira. Uma vez que para a grande maioria dos participantes estas são as provas mais dispendiosas, a FPAK vai permitir que aquando da inscrição no campeonato a equipa possa escolher dois dos três ralis para pontuar, sendo que nada impede uma equipa de participar nos três ralis, pontuando no entanto apenas em dois deles. Para a classificação do campeonato nacional tal como aconteceu em 2016 pontuam sete das oito provas. Ou seja, o campeonato terá nove provas, oito contam e sete pontuam.

Fonte: Notícias Fafe