Não podia ter sido melhor o arranque de João Ruivo e Emídio Magalhães no Campeonato Nacional de Ralis – 2 Rodas Motrizes, pois obtiveram a vitória no Rali Serras de Fafe que teve lugar este sábado.

Com algumas reservas em termos de prestação, pois teve pouco tempo para testar, o piloto de Famalicão acabou por superar o natural tempo de adaptação ao Renault Clio R3, máquina que tripula este ano, para dominar os acontecimentos desde o início desta jornada inaugural do ano de 2015. Desde a segunda classificativa disputada na noite de sexta-feira, que liderou a classificação da sua categoria, não facilitando em relação aos adversários: “Foi uma vitória muito saborosa com muito trabalho na preparação. Esta não correu muito bem e não estávamos muito animados. Depois os bons tempos apareceram e começamos a compreender melhor o carro”, disse João Ruivo à chegada a Fafe, não esquecendo a sua felicidade pelo: “Regresso ao Campeonato Nacional de Ralis e ainda por cima com uma vitória destas que ainda a torna mais saborosa, pois dominámos os acontecimentos desde o início”, acrescentou, alcançando ainda o nono lugar da classificação geral absoluta.

Contudo, as expectativas iniciais não estavam muito em alta, pois a curta sessão de testes na quinta-feira não correu como desejado: “Não acreditávamos muito no triunfo, mas depois da prova começar começamos a acreditar. Esta vitória é muito boa para nós, demonstra que o nosso projeto foi pensado e é isto mesmo que nós queremos, ou seja, lutar pelo titulo até ao final. Este foi o primeiro triunfo e espero que seja o primeiro de muitos”.

Na hora de festejar, o piloto famalicense não esqueceu de endereçar os parabéns: “A toda a equipa e à Fernando Costa Motorsport que trabalhou muito bem na quinta-feira à noite, conseguindo colocar-nos o carro excelente sem o termos testado. Estes agradecimentos são também para todos os patrocinadores e a todos os fãs que nos apoiaram ao longo da prova, que foram muitos”.

Excelente regresso de Miguel Campos aos ralis

A aposta de Miguel Campos no regresso ao Campeonato de Portugal de Ralis revelou-se certeira. Na primeira prova da temporada, o Rali Serras de Fafe, o piloto de Famalicão cumpriu os objectivos a que se tinha proposto com a conquista do segundo lugar na classificação geral. A equipa do Peugeot 208 R5 foi protagonista durante toda a competição e acabou a 25,3 segundos dos vencedores.

Ao longo dos dois de rali, Miguel Campos e Carlos Magalhães andaram sempre entre os melhores e foram, inclusivamente, os mais rápidos na segunda passagem pela especial da Lameirinha. Apesar de quase não terem tido oportunidade de testarem antes da prova, piloto e co-piloto mostraram toda a sua competitividade nos exigentes troços do Rali Serras de Fafe e comprovaram que são uma das duplas mais fortes do panorama actual da modalidade em Portugal.

“Estou muito satisfeito com o nosso desempenho no Rali Serras de Fafe. Gosto e conheço bem esta prova, mas chegar aqui e poder lutar praticamente de igual para igual com adversários rápidos e que puderam preparar melhor a sua participação só revela que continuamos rápidos e competitivos”, afirmou o piloto.

“Foi uma prova muito rápida e nós tivemos de entrar sem margem de erro para nos mantermos entre os melhores. Foi isso que fizemos apesar de quase não termos andado com o Peugeot antes do rali. Terminar em segundo está de acordo com o que tínhamos pensado para a primeira prova do ano e agora temos de continuar a trabalhar para fazermos o resto do campeonato. Não tenho dúvidas que se o conseguirmos vamos estar na luta pelo título nacional absoluto”, rematou Miguel Campos.

Excluindo o primeiro troço, em que a equipa não pôde andar em condições normais e ficou com um tempo nominal, Miguel Campos e Carlos Magalhães têm um quarto tempo como o pior registo em todas as classificativas realizadas. Fora isso, a dupla do Peugeot 208 R5 andou sempre nos lugares do pódio. É, então, com naturalidade que chegam ao final da competição com o segundo posto absoluto.

Miguel Campos vai agora trabalhar para viabilizar a presença em mais provas da temporada e, dessa forma, completar o programa definido que passa por competir no Campeonato de Portugal de Ralis. Para já, o objectivo é estar à partida da próxima jornada, o Rali Cidade de Guimarães, prova que se realiza nos dias 10 e 11 do próximo mês. 

José Fontes com saldo positivo no primeiro rali do ano

Vitórias em dois troços da segunda etapa deixam antever elevado nível de performance por parte do DS 3 R5

Falha na direcção assistida atrasou a equipa durante parte considerável da prova nortenha 

Piloto somou os primeiros 10 pontos num campeonato que adivinha altamente disputado

Terminou ao final da tarde de hoje, em Fafe, a primeira das oito provas que fazem parte do Campeonato Nacional de Ralis 2015. O Rallye Serras de Fafe contou com cerca de 70 equipas inscritas e teve como palco as míticas especiais dos ralis nacionais, com as inevitáveis passagens por Lameirinha, Luílhas, Ruivães e Montim.  A dupla José Pedro Fontes/Miguel Ramalho fez este fim-de-semana a estreia a bordo do DS 3 R5 da equipa DS 3 Vodafone Team e o saldo final acabou por ser muito positivo, apesar de alguns, naturais, problemas de juventude do carro francês. A equipa terminou a prova levada a cabo pela Demoporto no sétimo lugar final – sexto em termos de Campeonato Nacional de Ralis – e somou os primeiros 10 pontos neste arranque da campanha, pecúlio relevante tendo em conta que o objectivo final é a conquista do título.

Depois de um início de rali (na noite de Sexta-feira) com dois troços nocturnos que serviram para a equipa começar a avaliar o potencial das soluções técnicas implementadas em competição – até ontem o DS 3 apenas tinha rodado em testes – esta manhã José Pedro Fontes entrou com o pé direito e pôs a concorrência em sentido ao garantir o melhor tempo na primeira especial da Lameirinha, resultado que lhe permitiu saltar de imediato do quarto para o segundo lugar geral, a pouco mais de sete segundos na liderança. “Estou ciente de que temos um excelente carro e com uma enormíssima margem de progressão. Ataquei porque sabia que o podia fazer e o resultado que obtivemos na primeira especial de hoje deixou bem vincado qual é o nosso lugar…” afirmou José Pedro Fontes.

Logo depois, porém, surgiu o obstáculo que haveria de acompanhar a formação durante o resto dia e que acabou por marcar a performance do DS 3 daí em diante. Um problema hidráulico fez com que o piloto tivesse que cumprir cinco especiais sem direcção assistida, situação que não só o obrigou a um esforço físico considerável, como lhe retirou qualquer possibilidade de se manter na luta pela liderança do evento.

Apesar de o sétimo lugar final estar longe daquilo que eram os objectivos da equipa para esta prova, o piloto esclarecia à chegada a Fafe que “o resultado, condicionado pelo problema com a direcção assistida, não é aquele que esperávamos, mas a verdade é que, com o carro a funcionar normalmente, estivemos sempre entre os mais rápidos e conseguimos mesmo vencer a primeira e a última especial do rali. Tudo isto foi importante e traduz ensinamentos preciosos para esta nossa campanha no Campeonato Nacional de Ralis. Era sabido que este primeiro rali não ia sei fácil, mas não tenho dúvidas de que ganhámos muito mais do aquilo que a classificação final revela!”

Desta forma, a equipa vai, de imediato, começar a preparar a segunda jornada do Campeonato Nacional de Ralis 2015, o Rallye Cidade de Guimarães (asfalto), a disputar no dias 10 e 11 de Abril, com organização do Targa Club.